quinta-feira, 25 de setembro de 2008

CONFISSÃO!

No início da minha fé, inocente quanto à maldade do mundo e ignorante quanto às próprias fraquezas, achava-me merecedora da atenção de Deus. Erguendo uma bandeira de retidão, enxergava o favor de Deus como algo naturalmente merecido. Com paixão e inocência juvenis, não admitia que dor, amargura ou tristeza tocassem meu coração. Achava incoerente que alguém entregue a Deus se deixasse abater por tais sentimentos!...
Até o dia em que me deparei com as excentricidades de meu temperamento. Até o dia onde tive um encontro desastroso com as fraquezas de minha natureza humana. Até o dia em que uma tempestade soprou forte em minhas emoções, ao ponto de deixar-me constrangida e envergonhada para procurar a ajuda divina! Vergonha.... Culpa.... Pecado....
Embora exteriormente eu possa ser política, social e religiosamente correta, Deus conhece os pensamentos impuros, os motivos egoístas, as intenções maléficas, a inveja suprimida, os desejos impróprios, fazendo com que hoje, eu entenda o que é graça, não ousando apelar para nada além da misericórdia a mim ofertada!
Antes, eu pensava que dependia de mim! Hoje, realmente fico maravilhada, sem quase conseguir entender, como Deus pode confiar a mim a responsabilidade de ser portadora de sua palavra e reflexo do seu amor! E ao mesmo tempo que vou reconhecendo, dia após dia, minha indignidade, mais desejo aproximar-me de Sua presença. Meu coração anseia por mais de Deus, e é somente a Ele que posso recorrer para vencer os sentimentos contrários à Sua santidade.
A guerra entre carne e espírito se intensifica a cada batalha. Satanás possui uma qualidade ausente em muitos de nós: a perseverança. Ele não se retira por que perdeu uma batalha....Ele continua tentando enquanto pode. E em meio a tão árdua luta, chego alguma vezes, ao ponto de sentir-me em um calabouço, sendo capaz de ouvir apenas os gemidos da minha alma, e sentir em meus ossos o peso do pecado imundo de pensamentos vãos!
Vejo a necessidade de uma atitude radical se desejo mesmo ser fiel até o fim. Estaria disposta a sofrer todas as consequências? Estaria preparada para tantas lágrimas e solidão? Afinal, ao contrário do que dizem os pregoeiros da prosperidade e vida sem problemas, a Palavra de Deus nos diz, que aquele que quiser viver piedosamente, padecerá! Fazer o que Deus quer é andar em oposição ao mundo e a si mesmo. Se quero a vida que brota da cruz, tenho que carregá-la. Se quero a vida eterna, terei que crucificar a carne em favor da alma. Apelarei para a graça redentora de Cristo Jesus, que conhece minha estrutura e sabe que não passo de pó. Rogarei por misericórdia, como o réu que caminha para a execução da sentença. Clamarei. Pedirei clemência, porque desesperadamente sei, que não acharei redenção, a não ser em Ti!
Tudo em ti ó Deus, me impressiona. Porém, me pergunto: o que eu poderia fazer para te impressionar? Será que alguém como eu, poderia, de alguma forma, chamar tua atenção?... Simplesmente pedir perdão? Romper a multidão para tocar na orla de tuas vestes? Construir um santuário para adoração do teu nome? Brigar até alcançar a minha benção? Suportar calado? Chorar? Interceder? Subir em uma árvore? Entrar no palácio sem ser convidada?
O que devo fazer para que te alegres sobre mim? Admiras o que suporta ou o audacioso? Sorrias para o valente ou para o prudente? Como saber o que te agrada?... Confesso, que antes de me deparar com tantos pecados da minha alma, expostos pela perfeição da conduta de Cristo, agia como o filho mais velho da parábola do filho pródigo. Procurando observar os preceitos e ser obediente, achava ser merecedora da herança. Pensava que Deus tinha um cuidado especial para com aqueles que não transgrediam as leis. Porém, ao longo dos anos, pude observar o cuidado especial que Deus dedica também aos filhos rebeldes, que foram atrás das realizações dos seus desejos em oposição à vontade de Deus. Senti despeito. Apresentei justiça própria. Senti-me injustiçada. Esquecida. Preterida. Do que vale ser sempre correto? De que vale a aprovação dos homens, sem conseguir atrair uma reposta positiva de Deus? Porque tanto silêncio? E se eu O desafiasse? De todas as formas não sofreria?... Ás vezes, gostaria de ouvir, nem que fosse, tua voz repreendendo-me....só quero sentir que estás comigo!!!
Senhor, perdoa-me se tenho sido inoportuna. Tudo isso relfete a confusão de um coração que deseja saber o que te agrada. Sei que não te guias por padrões humanos, mas exiges de mim um padrão de santidade, que me obriga a lutar contra os meus piores instintos. Hoje, não tenho nada além de mim mesma para te apresentar. Tal como sou... muitos defeitos....nada de justiça própria!
Entendo que o teu amor existe e persiste em me querer, independente do que eu faça, pense, ou deixe de fazer! Mas também sei que és justo, refletindo a pureza e autentidicidade do teu amor. Teu favor sempre será imerecido e tua graça sempre será ofertada a todos: bons e maus, justos e injustos, filhos obedientes e rebeldes. Sei que amas a verdade, e sinto que de alguma forma ela chama a tua atenção. Ajuda-me... tenha-me em tuas mãos! Guarda-me dos meus próprios sentimentos. Sei que és Bom e Fiel, e isso me basta!
Késia Mesquita

Um comentário:

Odilon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.